JSON e o provável fim do XML

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012
Em um projeto onde trabalho está sendo implementado uma arquitetura de webservice baseado em JSON. Sempre estou acostumado a utilizar o XML e fiquei impressionado com a rapidez tanto do envio quanto do recebimento de dados neste novo padrão. Em aplicações mobile essa vantagem é enorme.

O JSON é utilizado principalmente para tráfego de informações em ambientes heterogêneos via HTTP, ele já possui implementações em mais de 20 linguagens. Porque você vai deixar de usar o tão na moda XML ou o já consagrado CORBA e passar usar um JSON que foi feito para ser usado com Javascript uma linguagem que é muito mal vista pela grande maioria dos desenvolvedores? São basicamente dois motivos, o JSON é MUITO menos verboso que o XML portanto um arquivo de 300K em XML pode virar um arquivo de 20K 30K em JSON e nem por isso o arquivo JSON é difícil de um humano ler, o segundo motivo é que a sintaxe do JSON é muito simples e muito fácil de criar uma implementação do mesmo para qualquer linguagem. Já imaginou o quanto você pode ganhar com performance substituindo uma comunicação via XML? ao mesmo tempo você irá manter a portabilidade. Hoje a grande maioria dos frameworks AJAX está optando em fazer o tráfego via JSON mas você pode usá-lo em substituição ao CORBA, ao RMI, pode serializar objetos, enfim são muitas possibilidades para esta tecnologia extremamente simples.

O JSON é composto por apenas três tipos de estruturas que você entende facilmente só pelas figuras abaixo. Vou colocar um exemplo cara cada estrutura apenas para facilitar o entendimento, um objeto usuário pode ser representado assim:


{“nome”:”Leonardo”,”idade”:26}



Se você quiser representar um usuário em um array poderia fazer simplesmente assim:

["Leonardo",26] Claro que você já deve saber quando utilizar objetos e quando usar arrays.




Os valores podem ser de um dos tipos abaixo.




Muito bem explicado pelo Leonardo Marques.

Nenhum comentário:

Postar um comentário